quarta-feira, 29 de outubro de 2014

AZUL ÍNDIGO

O índigo, ou anil, não é uma cor pura, mas a mistura do azul com a violeta (que, por sua vez, resulta da soma de azul e vermelho). "As cores dessa gama sempre simbolizaram poder, nobreza e autoridade".
Segundo as filosofias orientais, o índigo está relacionado ao sexto chacra, um dos sete centros energéticos espalhados pelo corpo. Chamado de frontal, ou terceiro olho, ele fica na testa, entre as sobrancelhas, e rege a intuição e a imaginação.
Em cromoterapia esse tom de azul tem efeito calmante e anestésico. Alivia dores de cabeça e ouvido, sinusite, reumatismo e nevralgia.
O índigo foi popularizado no final do século 19, quando surgiu o jeans, usado pelos mineradores de ouro na Califórnia. A calça feita de denim era tingida com o corante obtido da planta Indigofera anil, ou índigo, conhecida havia vários séculos pelos indianos e pelos nativos das Américas. Esse corante não era obtido diretamente da planta, mas por meio de um processo de fermentação. O resultado era o anil, que nossas avós usavam para branquear a roupa. Hoje, a indústria substituiu esse corante natural por equivalentes sintéticos.
Na moda, o índigo é eterno. Desde que o jeans surgiu, nunca mais foi esquecido. Em certos momentos o índigo invade as passarelas e toma conta das tendências de moda. Os grandes criadores desenvolvem coleções inteiras em jeans. Nessas horas, o mundo fica mais azul.

Nenhum comentário:

Postar um comentário