sábado, 14 de maio de 2011

ESTRUTURAS NARRATIVAS: O HERÓI

Bom, como estamos iniciando o curso de televisão pela construção narrativa que origine um roteiro, vamos estudar os elementos necessários para que sua criação vá de encontro à compreensão do espectador e gere uma identificação. O primeiro elemento que iremos ver é o Herói, um dos arquétipos estudados por C. Jung que impregna todas as estruturas narrativas humanas desde os primórdios. Quando se fala em herói, hoje em dia, já se pensa nos heróis que nos são apresentados na infância:



Como se pode ver, na ficção, o brasileiro carece de figuras heróicas. Isso se deve ao predomínio ideário da comunicação em massa estrangeira que acaba manipulando as estruturas narrativas para estabelecer o predomínio de uma ideologia estrangeira. Para o brasileiro, se existe alguma figura fictícia com status de herói ela geralmente é tida como uma figura de segunda linha e relegada à uma categoria de humor ou cine trash.


Além dos heróis fictícios, temos também os heróis reais, pessoas cuja existência é maior do que sua própria vida pois seus feitos inspiram e alimentam as gerações posteriores. Novamente, são poucos os heróis fictícios brasileiros e geralmente eles tem uma função de manutenção do estado, estado ligados geralmente à feitos políticos. Alguns nem se sabe se realmente existiram, como no caso de Tiradentes, o bode expiatório histórico. Tiradentes ilustra bem o dito popular que "Herói é aquele que não teve tempo de correr", pois sendo um alferes em um grupo elitizado, foi o único que não foi expatriado ou teve a pena amenizada por influência de parentes ricos e por isso acabou sendo o único em todo o grupo a pagar o pato. A mídia ainda trabalhou bem a imagem do alferes que geralmente o retrata como um tipo de Jesus Cristo recrucificado (no caso, enforcado). Outros heróis simplesmente caem no esquecimento por questões raciais (o caso de Zumbi, por exemplo). E outras figuras acabam sendo elevadas à categoria de heróis sem nenhum feito extraordinário, geralmente por estar ligado à nossa despódica política, como foi o caso de Tancredo Neves, ou, a história irá dizer, de Lula.


No entanto, a figura de herói vai bem além das mazelas que a comunicação em massa foi construindo ao longo do tempo. Herói é todo aquele que trás dentro de si a potencialidade de ultrapassar barreiras, de partir em uma jornada em busca de si mesmo e ao longo desse, se enriquecer enquanto ser humano a ponto de inspirar aos que estão à sua volta. Herói é aquele cujas memórias ou feitos se perpetuam, mesmo após a sua morte. É aquele que se imortaliza nesse elo incessante de informações que nos une enquanto seres humanos e que estabelece essa sensação de continuidade e passagem do tempo que todos carregamos.


Dentro desta análise, todas as pessoas são heróis. Então, quando você estrutura um personagem principal para a sua saga, o que você precisa pensar é qual o tipo de pessoa que será inspirada pelas ações de seu herói. Na televisão, essas pessoas são o público alvo. E será o fato de acertar neste público alvo que irá gerar o ibope. A estrutura do herói é algo móvel que vai mudando com o tempo, apesar de algumas características se manterem. Pense em seu herói como em alguém na base de uma escada totalmente nú. Ele irá subir essa escada ao longo da história de modo que no topo ele estará totalmente vestido de forma a você conseguir compreender a sua personalidade. Por essa característica de inocência ou falta de experiência, geralmente a figura do herói está ligada ao jovem ou ao adulto jovem. Mas o envelhecimento da população tem criado espaço para as mais diversas idades, desde que se consiga indicar uma pureza ou inexperiência em alguma área que será suprida ao longo da narrativa e se sobressairá no final. Em resumo, o herói é aquele que ultrapassa os limites, quer seja por inexperiência, falta do saber ou impetuosidade e cujos atos se tornam maiores do que sua própria individualidade pois inspiram os que estão em derredor.


Na próxima aula eu vou falar sobre uma outra figura que está muito em voga nas construções narrativas, o anti-herói.

Nenhum comentário:

Postar um comentário