quinta-feira, 22 de setembro de 2011

O JULGAMENTO DE PÁRIS



Mercúrio, com seu manto esvoaçante, levou três deusas a Páris. Elas são Juno, com um pavão, Vênus, com Cupido, e Minerva, com seu elmo e escudo com uma cabeça de Górgone. Adornadas com jóias e pouca coisa mais, as mulheres estão diante de Páris, que segura o pomo de ouro com que presenteará a mais bonita das três. Pode-se dizer que esta é a cena original que teria dado início à famosa Guerra de Tróia. Na lenda, as deusas tentaram subornar Páris, cada uma oferecendo uma graça, mas a oferta de Vênus, de presenteá-lo com a mais bela das mulheres, acabou por fazê-la vitoriosa. Infelizmente a tal mulher mais bela era Helena de Tróia, já casada com um homem muito belicoso que entrou em guerra com Troia assim que sua esposa foi sequestrada. Por isso, hoje em dia, existe a expressão "pomo da discórdia" se referindo a este pomo de ouro que premiou a mais bela das deusas. Sir Peter Paul Rubens (Alemanha 1577 - Bélgica 1640) apresentou este tema mitológico dos mais conhecidos com a verve e a grandiosidade típicas do estilo barroco, de que foi um dos pioneiros. Cores suntuosas e pinceladas sinuosas foram utilizadas para evocar as ricas e sensuais figuras femininas. Em 1630, Rubens casou-se com Hélène Fourment, de 16 anos de idade. Depois disso, seu estilo tornou-se imbuído de lírica ternura (o que o amor não faz). Para conseguí-lo Rubens utilizava cores ricas, inspirado nos mestres venezianos Tiziano e Veronese. As pinceladas fluidas de Rubens, suas cores açucaradas e a riqueza emocional de suas composições contribuíram para sua reputação de maior pintor do Barroco ao norte dos Alpes.

Nenhum comentário:

Postar um comentário