domingo, 20 de novembro de 2011

CHARLES CHAPLIN

Charles Spencer Chaplin, nascido em Londres em 1889, morreu na Suíça em 1977. Foi ator, diretor, produtor, comediante, dançarino, roteirista e músico. Também obviamente foi um dos atores mais famosos do cinema mudo. Seu personagem mais conhecido que aqui ficou conhecido como Carlitos (Charlot na Europa) era um andarilho sem eira nem beira com modos refinados e bom coração. 
Charles não veio de uma família muito feliz. Os pais eram artistas, sendo que se separaram quando Charles tinha apenas 3 anos de idade. Vivendo com sua mãe e seu meio irmão, Charles acompanhou a decadência mental de sua mãe que acabou sendo internada em um Asilo. Com o pai a relação não era muito melhor já que ele era um alcoólatra. Charles cresceu vivendo ora com um ora com outro até que aos doze anos o pai morreu de cirrose no figado. Junto com o irmão acabou encontrando no mundo artístico inglês a forma de sobreviver.  Foi no entanto nos EUA que ele conseguiu a fama trabalhando na Keystone Film Company. 
A primeira aparição aconteceu no filme KID AUTO RACES AT VENICE 
O personagem não demorou para cair no gosto do público. O fato de nos Estados Unidos da época estar ocorrendo uma torrente imigratória de todos os lugares do mundo apenas favoreceu o alcance dos filmes de Chaplin já que o cinema da época era mudo. 
Conforme foi ganhando fama, também foi ganhando maior autonomia em suas produções o que lhe garantiu a possibilidade de experimentar e criar pérolas do cinema mudo como THE KID
Charles resistiu o quanto pode à crescente influência de Hollywood frente aos pequenos estúdios. Também tentou resistir ao som o quanto pode, lançando vários filmes entre os quais se pode destacar o longa EM BUSCA DO OURO com a famosa cena dos pãezinhos
 LUZES DA CIDADE com um romance de Carlitos e uma florista cega
E o filme que até hoje é considerado o marco do fim do cinema mudo onde se ouve pela primeira e última vez a voz de Carlitos. Um detalhe é que a canção do simpático andarilho é feita em uma língua inventada. Uma última rebeldia antes de finalmente adentrar o mundo das palavras. 
TEMPOS MODERNOS
O fim de Carlitos não foi porém o fim da infinita inventividade de Chaplin. Com seu primeiro filme falado O GRANDE DITADOR Charles colocou o dedo na ferida do nazismo ridicularizando o temível Hitler em plena segunda guerra. 
LUZES DA RIBALTA foi seu penúltimo filme onde contracena com outra lenda norte americana, Buster Keaton. Nesta época estava acontecendo uma perseguição política atrás de "comunistas" nos EUA e Charles acabou entrando nesta lista negra. 
Como viajou para Londres para filmar esse filme, o governo aproveitou-se do fato para caçar seu visto, exilando-o.  Charles decidiu então não mais voltar aos EUA escrevendo:
 "(...) Desde o fim da última guerra mundial, eu tenho sido alvo de mentiras e propagandas por poderosos grupos reacionários que, por sua influência e com a ajuda da imprensa marrom, criaram um ambiente doentio no qual indivíduos de mente liberal possam ser apontados e perseguidos. Nestas condições, acho que é praticamente impossível continuar meu trabalho do ramo do cinema e, portanto, me desfiz de minha residência nos Estados Unidos".
Para quem se interessa, Chaplin chegou a escrever uma autobiografia. Também foi feito um filme sobre sua vida com Robert Downey Jr no papel principal em 1992, além de uma série inglesa que retrata a infância dos dois irmãos. 
Atualmente, existe uma exposição sobre a vida de Chaplin em São Paulo. Mas fique atento, ela só vai até o dia 27 desse mês.
CHAPLIN E A SUA IMAGEM
QUANDO abertura quarta (19), às 20h, para convidados. De terça a domingo, das 11h às 20h, até 27/11
ONDE Instituto Tomie Ohtake (av. Faria Lima, 201, tel. 0/xx/11/2245-1900)
QUANTO grátis

Nenhum comentário:

Postar um comentário