quinta-feira, 16 de fevereiro de 2012

J. CARLOS

Vou falar hoje de um famoso ilustrador, chargista e designer gráfico brasileiro. Pode parecer estranho falar sobre isso hoje em dia, quando o mercado gráfico é quase que completamente dominado por influências estrangeiras, mas o Brasil já teve um período de florescência nas artes gráficas, já tendo inclusive tido um gibi nacional. Mas isso é outra história. 
José Carlos de Brito Cunha era um carioca nascido em 1884. Além de tudo o que eu já falei ele ainda fez esculturas, teatro de revista e letra de samba. É considerado um dos maiores representantes da Art Déco no design gráfico brasileiro. 
Fez a capa de muitas revistas, incluindo-se essa revista PARA TODOS onde é possível encontrar excelentes ilustrações que revelam todo o talento desse ilustrador. Tinha por referência as figuras típicas do Rio de Janeiro de sua época. 
Também se interessava muito em ilustrar a "melindrosa", a nova mulher moderna brasileira, elegante e urbana que iniciou sua jornada rumo à independência em sua época.
Calcula-se que tenha produzido algo em torno de 100 mil ilustrações. Nos anos 30 foi o primeiro brasileiro a desenhar o Mickey Mouse para a revista Tico Tico. Nem sabia ele que os "ingleses estavam chegando" e que aos poucos isso iria minar a produção nacional para abarcar a produção estrangeira.
Em 1941, seguindo a política de boa vizinhança que procurava espalhar a ideologia norte americana pelo mundo, Walt Disney visitou o Brasil e ficou tão impressionado com a arte de J. Carlos que o convidou para trabalhar em Hollywood.
O artista recusou mas enviou para Disney o desenho de um papagaio que mais tarde serviria de base para a criação do personagem Zé Carioca.
Estava discutindo nova capa do compositor João de Barro, o Braguinha, quando teve uma hemorragia cerebral e morreu dois dias depois em 1950.

Fez histórias em quadrinhos com a personagem chamada negrinha Lamparina que ainda era fortemente influenciada pelo longo período escravista do Brasil. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário